terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Capitulo 13



(Liam)

Saí do restaurante, ou melhor fugi. É sempre mais fácil fugir do que enfrentar os problemas. Tinha perfeita consciência que tinha sido demasiado duro com ela e que não merecia nada do que lhe tinha dito. Mas pedir desculpas, por vezes, é tão complicado que nos complica ainda mais a vida. Cheguei a casa, sentei-me no sofá e fiquei a ver televisão para ver se me distraia. Passado algumas horas, não muitas, a pensar exclusivamente nela, se já estava no aeroporto, se já tinha partido, se já estava em Portugal, se tinha tudo corrido bem…O meu telemóvel começa a tocar mas não conhecia o número, atendi à mesma.

Liam – Quem é? – perguntei

Matie – Sou eu… - quando ouvi a voz da Matilde ao meu ouvido tudo mudou, ela tinha-me telefonado mas não sabia o que lhe dizer, como lhe dizer – não desligues já!

Liam – O que se passa?

Matie – Neste momento estão umas senhoras a dizer que tenho que desligar o telemóvel por isso tenho menos de cinco segundos para falar contigo!

Liam – Estou a ouvir… - é estupido demais perceber que aquela miniatura tecnológica conseguia-me pôr tão perto da Matilde mas ao mesmo tempo tão longe

Matie – Fui estupida demais ao acreditar que o meu coração ainda batia por uma pessoa que me tinha magoado sabendo que existia uma pessoa que me fazia rir, que me fazia sonhar, que me fazia feliz! Desculpa se estraguei tudo…Sou mesmo estupida…e ainda mais estupida por te estar a dizer sabendo que não acreditas! Adeus… 

Liam – Espera! Não desligues! – ela tinha desligado, ouvir aquele maldito bip que sinalizava o fim da chamada fez-me sentir a pior pessoa do mundo, nunca tinha sentido uma raiva tão grande por ter deixado escapar por entre os dedos uma pessoa tão especial para mim. Num descarregar de raiva mandei o telemóvel com toda a força contra a parede partindo-se em pedaços, tal e qual como o meu coração. Nesse momento chegam todos a casa e ficam, inevitavelmente, a olhar para mim como se fosse tudo culpa minha. E o que tornava as coisas mais complicadas é que sabia perfeitamente que era verdade, afinal a culpa era minha. A Vera chegou-se ao pé de mim com cara de poucos amigos

Vera – Só te quero dizer uma coisa, eu admirava-te. Aliás, eu admirava toda a banda, todos em especial. O que tu fizeste hoje, não era do Liam que conhecia, ou que pensava que conhecia. Portaste-te como um miúdo de cinco anos que não se sabe comportar, em vez de ficares não, fugiste! Estavas no topo da minha consideração, agora, estás bem lá no fundo. Para além de fazeres sofrer a minha melhor amiga, ainda foste muito cobarde ao não admitir o que sentes!
Não conseguia dizer nada, era tudo verdade. Tinha que conseguir mudar o que tinha feito, tinha que lutar por aquilo que queria, a Matilde.

(Vera)

Estava mesmo chateada com ele, nunca pensei que ele tivesse a coragem de sair do almoço e nem se despedir dela. O Liam levantou-se muito rapidamente do sofá e foi até ao quarto.

Harry – O que é que lhe deu?

Louis – Já não percebo nada daquele gajo! Precisamos de um livro de instruções!

Carla – Sim, principalmente para que vocês percebam o que não fazer às mulheres!

Filipa – Melhor, o que não dizer ás mulheres! Normalmente metem os pés pelas mãos e só sai porcaria!

Zayn – Que exagero! Eu cá percebo muito bem as mulheres…

Filipa – Vamos ver vamos…

Passados alguns minutos vemos o Liam a descer as escadas com uma mala pequena na mão com pressa.

Liam – Não venho jantar! Nem dormir…não se preocupem! – Nem sequer deu tempo de dizer seja o que for, ele saiu de imediato.

Louis – Acham que ele vai…?

Joana – Ele vai ter com a Matilde!!!!!!!

Zayn – Mas era preciso ela ir-se embora para perceber isso? Aquele gajo só complica…

Filipa – Não é complicar…é o amor!

Depois de discutirmos o que iriamos fazer naquela tarde decidimos ir ver um filme para desanuviar um pouco o ambiente. Não estava muito virada para grandes festas porque estava bastante preocupada com a Matilde e não conseguia descansar sem saber se ela tinha chegado bem a Lisboa. Por iss fui fazer pipocas e o Harry veio comigo enquanto que os restantes ficaram na sala.

Harry – Então és peritas a fazer pipocas?

Vera – Não é propriamente a coisa mais difícil de se fazer, convínhamos! Mas está descansado que é a única coisa que sei fazer…

Harry – Descansado?!

Vera – Sim, não morres intoxicado com a minha comida mais que péssima! Sou um zero na cozinha!

Harry – Oh, e eu que queria provar alguma coisa feita por ti!

Vera – Comes as pipocas e já vais com muita sorte! Vamos ver se elas saem bem porque senão nem isso comes!

Harry – Arranja-se outra coisa para comer… - eu estava encostada ao balcão e o espaço entre mim e o Harry estava a diminuir ao evoluir da conversa. Aquela aproximação começava a deixar-me deveras nervosa

Vera – Está a ficar calor não está? – ao mesmo tempo que me desviava para perto da porta que dava acesso ao exterior

Harry – Provavelmente… - ele continuava a aproximar-se de mim de forma muito perigosa

Vera – Ok Harry, importaste de não andar sempre muito próximo de mim!

Harry – Eu só ia lá fora…já que aqui está muito calor… - desviei-me e ele abriu a porta

Vera – Pois… - senti-me a maior idiota á face da terra

Harry – Já está melhor?

Vera – Muito… - não conseguia olhar para ele, estava demasiado envergonhada e sentia-me muito estupida!

Harry – Porque é que não olhas para mim? – levantei a cabeça, sentia todo o meu corpo todo a contrair-se, uma sensação estranha percorria o meu corpo de forma frenética – Não sei se já te disseram mas tens um sorriso magnifico e uns olhões!

Vera – Ok! Acho melhor pararmos por aqui, pode ser?

Harry – Tens namorado é isso?

Vera – É isso sim… - menti. Toda aquela aproximação estava-me a deixar super nervosa e ainda mais quando a expressão dele mudou completamente assim que disse que tinha namorado.

Harry – Oh…não sabia!

Vera – Pois, também não perguntaste!

PLIM!

O barulho das pipocas prontas fez quebrar o mal estar que se começava a formar, principalmente o meu por ter mentido! Agarrei nas pipocas e fomos ter com eles que estavam numa verdadeira algazarra!

Harry – Bem…já estão a fazer a festa! Não devem precisar das pipocas pois não?

Niall – Ei! Nem penses nisso…dá cá isso que estou com fome…

Zayn – Uau! Isso é que é uma novidade daquelas dignas para a primeira página! Niall com fome! Ninguém diria…

Niall nem se importou e começou logo a comer provocando a risada total. Depois de alguns minutos a discutir o filme que viríamos finalmente sentamo-nos e começamos a vê-lo!

(Matilde)

Definitivamente a minha vida tinha dado uma volta daquelas 360º, estava novamente no lugar de onde queria ter saído e que agora parecia ser tudo menos, horrível. Não tinha ninguém á minha espera no aeroporto, aliás ninguém sabia que vinha. Apanhei um táxi para casa e pelo caminho todas as pequenas coisas, os simples sorrisos, os gestos doces e amáveis do Liam não saíam da minha mente. Deixei escapar uma pequena lágrima que foi visível para o motorista.

Taxista – Não chore menina, amanhã, as fraquezas de hoje serão as armas de amanhã!

Matie – Quem me dera que fosse assim tão simples…

Taxista – Quer falar? Sempre ouvi dizer que os taxistas são bons ouvintes…

Matie – Deixe estar, o meu problema deve ser insignificante comparado com outros!

Taxista – Se assim fosse não estaria a chorar! Podem ser insignificantes para os demais porque não estão na sua pele! Já agora o meu nome é António!

Matie – Muito prazer senhor António, o meu é Matilde! O meu problema é amoroso…sinto-me imponente por não conseguir mudar o meu destino.

Taxista – Isso depende exclusivamente da sua vontade! Já fez tudo o que havia para fazer? Para mudar?

Matie – Mas o problema não sou eu, é ele que não acredita em mim!

Taxista – Olhe menina, eu já ando nestas andanças á muito tempo, já ouvi muitas histórias de amores e desamores, de traições e surpresas. Mas havia uma semelhança entre eles, o problema era de ambos. Como se costuma dizer, para dançar o tango são precisos dois. Não quero julga-la nem nada, mas deve ter feito alguma coisa para ele não acreditar em si!

Matie – Por acaso fiz, mas não era para o magoar nem nada. Era simplesmente para clarear as minhas ideias, o meu coração. Ele percebeu tudo ao contrário!

Taxista – Explicou-se melhor?

Matie – Tentei mas ele mandou-me de volta para Portugal! Ele sabia o porquê de não querer tão cedo voltar mas mesmo assim frisou bem o que queria!

Taxista – E porque é que não ficou?

Matie – Porque não conseguia continuar a olhar para ele sabendo que me desprezava ou que nem se importava comigo!

Taxista – E acha que é isso que ele pensa?

Matie – Como quer que saiba? Eu não entro na cabeça dele! Não sei o que lhe vai na mente!

Taxista – O que lhe posso sugerir é que primeiro pense realmente o que quer e se isso passar por esse rapaz, vá atrás dele! O pior que podemos fazer é arrepender-mos do que não tivemos coragem de fazer.

Matie – Obrigada Sr. António!

Taxista – Chegamos! Olhe tem aqui o meu cartão, se precisar de voltar ao aeroporto já sabe!

Matie – Muito obrigada!

Tirei as malas do táxi e assim que estava para subir para abrir a porta do meu prédio aparece o Rafael. Nem liguei, continuei a fazer o que estava a fazer, mas ele pôs-se á minha frente.

Matie – O que queres Rafael?

Rafael – Quero saber se ainda tenho alguma oportunidade contigo?

Matie – Opah, desempara-me a loja por favor! É que eu já não consigo ver a tua cara á minha frente!

Rafael – Isso é porque não me resistes!

Matie – Eu não tenho nem tempo nem paciência para te aturar. Já disse tudo o que havia para dizer no outro dia, estou apaixonada por outra pessoa entendes?

Rafael – Não, não entendo!

Matie – Problema teu, não meu! – nesse momento o meu telemóvel começa a tocar era a Vera – Olá querida!

Vera – Já chegaste a casa?

Matie – Já mas ainda não entrei! Tenho um intruso á minha porta, o Rafael! Ele ainda não percebeu que está a fazer figura de estupido ao não sair da minha frente!

Vera – A sério? OMG, esse tipo é mesmo rrrrr!

Matie – Ahaha, gostei do rrrrr! Olha mas acho que te ouviu, ele está a ir-se embora mas deixou-me um bilhete! – peguei no bilhete que tinha posto em cima de uma das malas

Venho-te buscar ás 20h30 para o nosso jantar! Até já amorzinho!

Matie – Este tipo está a começar a ficar doente!

Vera – O que ele disse?

Matie – Que quer jantar comigo! Melhor, impôs que fosse jantar com ele! Deve estar cá com uma sorte…

Vera – Se eu tivesse aí tinha enchido aquela cara de porrada!

Matie – Ahahaha! Pagava para ver Vera…

Vera – Vias era ele a implorar para eu parar isso sim…

Matie – Claro que sim! Porque tu és uma excelente pugilista…

Vera – Não gozes comigo Matilde!!

Matie – Já me calei… - queria perguntar pelo Liam mas não sabia se era o mais correto, para além de ter medo da resposta

Vera – Olha queria-te dizer uma coisa que aconteceu hoje!

Matie – Diz!

Vera – Disse ao Harry que tinha namorado….

Matie – Disseste o quê miúda? Desde quando é que tens namorado??

Vera – Desde nunca…não tenho!

Matie – Então porque é que lhe disseste tal coisa? OMG, ele estava a fazer-te a ti era?

Vera – Não sei…ele começou a aproximar-se e eu não sabia o que fazer!

Matie – E disseste que tinhas namorado! Realmente é a melhor forma de afastar um rapaz…agora só falta saber uma coisa!

Vera – O que é?

Matie – Gostas dele?

Vera – Sei lá…não faço ideia! Acho que deve ser a emoção de estar a conhecê-los! Deve ser isso…

Matie – Boa resposta…não sei! Sei que deves estar com medo e tudo, do facto de ele ser famoso e de tu seres uma fã dele. Achas que isso pode estar a influenciar as tuas emoções mas pode não ser. Podes estar a descobrir algo ainda mais forte e profundo por ele…

Vera – Mas ele é o Harry Styles!! Entendes isso??? Ele tem centenas, milhares, mundo inteiro atrás dele e vai logo olhar para a minha cara?

Matie – Às vezes isso pode acontecer…mas se ele continuar a saber que tu tens namorado é que não acontece nada meu anjo!!

Vera – Ai! Não sei o que fazer…preciso tanto de ti aqui! Volta amor!!!

Matie – Sabes que isso não posso fazer! Primeiro preciso de pensar bem nas coisas e se depois achar que deva ir eu faço-o, não te preocupes!

Vera – Matilde…

Matie – Diz amor lindo!

Vera – Vais ver que tudo vai melhorar mais depressa que pensar…

Matie – Espero bem que sim! Bem, tenho que desligar porque ainda tenho que levar isto tudo lá para cima! Depois ligo-te para saber novidades está bem?

Vera – Está bem, porta-te mal!!!

Matie – E tu também…

Peguei nas minhas coisas todas e finalmente instalei-me na minha casa! Assim que me assentei no sofá de minha casa lembrei-me que tinha sido ali que o Liam tinha dormido da última vez. Ainda estava o seu perfume entranhado numa das almofadas que decorava o sofá. Peguei nela e abracei-a bem juntinho a mim, não era a mesma coisa do que ter o corpo dele mas naquele momento, qualquer coisa servia para tê-lo mais junto a mim!

Entretanto o meu telemóvel toca, era uma mensagem do Liam. Assim que vi o nome dele no visor o meu coração disparou, agarrei ainda com mais força a almofada e li a mensagem.

Talvez o teu dia mais feliz seja o mesmo que o meu… =)



Acho que este capitulo não ficou grande coisa :S
Como já puderam ver a sondagem que fiz já está fechada e o destino vencedor foi a magnífica cidade de Paris! Agora é só esperar pelas surpresas que decorrerão na cidade do amor nos próximos capitulos... =)

Liis

5 comentários:

OneDForever disse...

Nao ficou grande coisa?? Deves estar a brincar! AMEI!!

Rita disse...

Está lindo , lindo :) aii estou mesmo ansiosa para saber o que vai acontecer <3

ASilva ♥ disse...

AMEI! Amo a fic. Continua ;)
Publica rápido :D

filipa margato disse...

adorei *.*

- S disse...

Lindo *.*